Escolher a raça de uma abelha

 

O artigo de hoje incide sobre algumas das raças de abelhas que os apicultores adotam em suas atividades. Escolher o tipo de abelha é uma tarefa importante, por isso vale a pena ler este artigo!

Abelha italiana (A. m. Ligustica): é a subespécie mais popular de abelha, particularmente na América do Norte e na Europa. Estas abelhas são extremamente produtivas, gentis e apresentam uma tolerância média a doenças (varroa) e resistência também média em climas mais frios. Apresentam ainda algumas fragilidades, como a falta de vitalidade, a criação excessiva e o elevado consumo das reservas.

Abelha Carnica (A. m. Carnica): Esta é a segunda abelha mais popular, sendo nativa das montanhas da Eslovénia e Áustria e também da região dos Balcãs. São muito semelhantes em termos de gentileza, tolerância a doenças e a climas frios com as abelhas italianas, mas não são igualmente produtivas. No entanto, este tipo de abelha também exibe uma forte tendência enxameação. Podem ainda manter uma colónia mais pequena de inverno, recorrendo então a uma menor quantidade de alimento.

Abelhas russas: No final dos anos 90, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) importou esta espécie de abelha da região de Primorsky Krai, na Rússia. Essas abelhas desenvolveram uma alta resistência aos ácaros, por isso são melhores em lidar com os parasitas que criaram tantos problemas para outras cepas de abelhas. As abelhas russas tendem a reduzir a produção de ninhadas quando o pólen e o néctar são escassos, o que resulta numa colónia menor durante o inverno. Comparando com as raças anteriormente mencionadas, as abelhas russas são igualmente calmas e produtivas, e apresentam melhor tolerância a doenças e invernos em climas frios.

Abelha caucasiana (A. m. Caucasica): a abelha caucasiana (georgiana) é nativa das montanhas do Cáucaso, na Geórgia. Estas abelhas são bastante calmas e fazem um uso extensivo do própolis, o que pode ser um desafio para alguns apicultores. No entanto, apresentam também algumas desvantagens, como a suscetibilidade à nosema/ nosemose, o facto de que as colónias não atingem a força total até meados do verão e são extremamente propensas ao roubo de mel, podendo ser responsáveis por apiários caóticos.

Qual a raça de abelhas que usa na sua atividade enquanto apicultor? Qual é a sua experiência? Escreva-nos e conte-nos sobre a sua experiência!

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *